Estamos de volta!

Hey, gurias! ❤

Fiquei muito tempo ausente porque a responsabilidade de ser mãe, esposa, filha, cantar na igreja e ainda trabalhar fora não é fácil. Conciliar tudo com o ofício de blogar, mais difícil ainda. :/

Mas estes dias venho pensando… sabe, quantas coisas já postei aqui, na página, que ajudaram tantas pessoas. Posts que serviram para registrar o que penso sobre maternidade, gravidez e outros, mas que também deram informações importantes a outras mamães de primeira viagem. Porque parar?

Tenho refletido muito sobre isto e resolvi voltar. Porque não se pode começar algo e parar no meio do caminho. E escrever aqui me relaxa muito a mente sabe? Não importa se estou aplicando regras de marketing de conteúdo ou não. O que me relaxa é escrever. É como se estivesse conversando com alguém. Sei lá, me faz tão bem! Porque parar se isto me faz bem? Né?

Fora esses motivos, que são um tanto pessoais, sinto que posso compartilhar muito mais coisas legais sobre o que eu mais faço na vida, que é ser mãe. A maioria das mães ama ser mãe e ama conversar sobre ser mãe. Então, eu volto com esta característica. De conversar com minhas amigas mães e também as amigas futuras mamães. Incluo também aquelas que por algum motivo tiveram uma gravidez indesejada e não sabem pra onde correr. Foi assim que eu vim parar aqui e me sinto no dever de ajudar a quem eu puder.

Chega de blá blá blá. #Mãosàobra!

Será um post a cada dois dias, até que eu volte com o pique que eu estava de escrever um por dia. Vou procurar conteúdos relevantes pra mim a princípio assim eu aprendo algo novo e repasso pra vocês. Não vou ficar postando coisas repetidas, nem copiando e colando textos prontos, porque isso não é do meu feitio. Até porque eu sou Comunicóloga e se tem uma coisa que eu tenho que saber é escrever, né? Rs.

Tenho muitas novidades, a começar pela minha casinha nova, como que vou arrumar o quarto da Beca, que agora tem dois anos… xiiiiiiiu, Dani! É segredo! Afff não consigo me segurar! Como já disse, vou trazer conteúdos que tenham a ver com o meu dia a dia. Beleza gente?

Enfim, para as que já me seguem, estou de volta, para as que não me seguem ainda, sigam já! E se preparem porque vem muita coisa boa por aí!

Beeeeeeeeeeeeeeijos no coração. Deus abençoe e terça voltamos com tudo!

Dani ❤

Lojinhas que eu amo e recomendo!

Hey, gurias! ❤

Um dia desses estava passeando aqui por Curitiba num dos shoppings que mais amo, o Park Shopping Barigui eu e meu digníssimo esposo, vendo umas tendências de merchandising e etc, e estava vendo que cada dia que se passa a gente fica mais exigente quando o assunto é consumo. A gente olha a loja, filtra as escolhas e finalmente decide entrar, igualzinho no online. Existe todo um processo por trás, que faz com que a gente se interesse por uma ou outra loja. Por isso, as lojas estão investindo cada vez mais no famoso UX(user experience) e na singularidade de suas marcas. A Samsung por exemplo, tem vários quiosques dentro de lojas pelo Barigui e mais a própria loja, mas fica tão visível que você enxerga de longe que ali vende celular Samsung.

Enfim, toda essa introdução é pra dizer que eu gosto muito dessas lojas, que me conquistaram e o melhor, cumprem o que prometem. Sabe aquela loja que não dá pra passar sem entrar, nem que seja só pra olhar? That’s it. Resolvi selecionar 5 lojas que acho lindas e que super recomendo pq são maravilhosos os produtos. Todas elas eu já comprei e sou cliente super fiel! Hehehe #naoépubli

1. Milon

Milon – Shopping Curitiba

Esta vai para as mamães de plantão, que estejam ou não grávidas, e também para quem quiser presentear um bebê da família. Gente, que loja fofinha. Roupas e acessórios infantis e com preço dentro do normal. Comprei um vestido pra Rebeca, todo perfeitinho, cheio de detalhes, a R$ 150 . Ela usou bastante no verão, e os strass estão lá há mais de um ano, coisa rara em vestido de bebê. Fora isso, tem opções que cabem no bolso e acessórios um mais lindo que o outro!

 

Entrem no site porque a Milon tem várias lojas espalhadas pelo Sul: milon.com.br.

2. Studio Lilly

Studio Lilly, toda mulher inclusive mamãe adora.
Studio Lilly, Curitiba

P.S.: Não é a Studio Lily que faz buquês casamento não tá?

Essa não é bem uma loja, é muito mais. Para quem vive na correria, como toda mãe, vai amar: é um salão que não faz cabelo, mas tem tudo pra cabelo, unha, maquiagem e acessórios, além de ter e-x-c-e-l-e-n-t-e-s manicures e depiladoras. Eu amo o atendimento padrão Studio Lilly! A Lígia, dona da loja, é uma querida! Quem tiver a oportunidade de conhecer a história dela… clica aqui e vê que garra ela tem gente! E o S/L tá bombando pelo centro de Curitiba. Lá tem cartão fidelidade, esmalte importado, desmaia cabelo, necessaries, escovas profissionais, acessórios super criativos e inusitados. Ah é tudo de bom. #StudioLillyBAPHO

Studio Lilly, Curitiba - para mamaes lindas
Studio Lilly, Curitiba

Fica bem no Centro de Curitiba:

Endereço: Rua Visc. do Rio branco, 1322
Sigam as meninas: @studiolilly 

3. Oh my shoes!

Oh my shoes- lojas daquele tipo de mãe e filha
Oh My Shoes!

Lojinha mais lindaaaaaaa! É um outlet de sapatos e acessórios em Campo Largo que é simplesmente mara. Eu tenho uma sapatilha da Santa Lolla super fofa,  e eles tratam a gente com MT carinho. Eles recentemente fizeram uma sessão de fotos de mãe e filha. Achei um arraso! Uma amiga minha top model de Campo Largo divulga a marca também, para quem não conhece, a minha maravilhosa @mayaragruba. Separei uns cliques dela para a #OMS.

Vejam no insta deles @ohmyshoesbr.

 

4. Farm

loja Farm para mamães românticas
Farm

É uma loja de admirar. A Farm tem um design totalmente diferente e meigo. Foi feita pra mulheres meigas, o que tem tudo a ver com o nosso universo de mãe né? É uma loja perfeita para mães modernas e que gostam de um estilo romântico sem sair da moda. O que eu mais gosto na Farm é que você entra e não fica ninguém no teu pé. A experiência é sensacional! A do Shopping Mueller em especial me conquistou. Sigam eles no Insta: @adorofarm

 

MT amor pela @adorofarm gente!

5. Imaginarium

imaginarium para mamães e papais que adoram um presente para seus bebês
Loja Imaginarium

Não podia faltar!!! Minha preferida quando o assunto é presentes. Amo a criatividade dos produtos, o atendimento seja onde for e as embalagens também são fofas. Já comprei várias coisinhas e não abro mão! Super recomendo. A melhor gift store que há. @sigaimaginarium
É isso meus amores!! Deixem suas sugestões de lojinhas!

Filmes e séries para assistir com os filhos

Hey, gurias! ❤

Não aguentei e tive que colocar aqui alguns filmes e séries que tenho assistido com a Rebeca e amado! Detalhe: ela tem 2 anos e também curte!

Image result for gilmore girls

#1 Gilmore Girls

Sabe aquelas séries que te perseguem no Netflix e você preciiiiiiiisa parar pra ver? Então, Gilmore Girls é uma séria que eu vivia querendo ver mas sempre passava e via outras aparentemente mais interessantes. Mas um dia, sentada na cadeira do balanço meu e da Beca, apaguei as luzes e comecei a assistir. Fui vendo o episódio 1, 2, 3…quando vi já estava na terceira temporada! E a Beca junto comigo! O mais legal é que ela pega no sono no meio entre um episódio e outro… kkkkkkkk #melhorparte

Suuuuuper recomendo porque essa série é uma fofura, lembra os desafios que mãe e filha sempre passam na vida, ainda mais quando não são casadas, né? Não é o meu caso, mas eu adoro! Não tem linguagem obscena nem conteúdo que distorça qualquer valor que eu passo pra ela. Simplesmente amo essas duas aí! #vivaLorelayeRory

Image result for suits

#2  SUITS

Você deve estar se perguntando: peraí, sua filha vê séries de advogados? rsrs VÊ SIMMM! Ela para e fica assistindo junto com a gente. Essa a gente vê em três! Simplesmente adoro, as tramas que esses caras se metem, cada caso um mais legal que o outro. Assim, no caso de Suits, eu gosto do inglês deles, que é bem americano, então é bom pra Beca ir ouvindo. Claro que ela também dorme no meio, mas eu gosto dessas séries que, além de inteligentes, prendem bonito nossa atenção. Se deixar vemos uma temporada inteira numa noite só! Hehe. Pausa agora para um segredo: eu amo #HarveySpecter!

Image result for peppa

#3 Peppa Pig

Agora é a vez da Beca escolher! Podem chamar a gente de bobo, mas a gente adora ver Peppa com ela! Eu morro de rir com as cenas do desenho, porque são reflexos da nossa realidade, mas não é só isso. Tem coisas bem bobinhas que a Rebeca se escangalha de rir e a gente fica rindo junto! Vocês acreditam que por aqui a família inteira, até os avós dela sabem as histórias da Peppa? Hahaha, nos divertimos muito com a Rebeca enquanto ela assiste sem piscar os olhos a porquinha.

Image result for a cabana

#4 A Cabana

Tem gente que não liga pra isso, mas para quem acredita, lá vai: adorei assistir este filme com ela. Além de ter chorado um monte, fiquei de bobeira no cinema com a Beca paradinha que nem estátua vendo o filme. Não é sempre que temos uma sessão assim, rsrs. Toda vez é um fuzuê porque tem que trocar fralda, fazer mamadeira, etc. Mas nesse dia ela ficou assistindo de boa comigo. O filme é lindo, fotografia, trilha sonora, e a história… amei, porque pude passar mais ainda os valores que acredito pra nossa filhota. Simples assim, ameiiiii! #Godweloveyou

Image result for minha mãe é uma peça 2 filme

#5 Minha mãe é uma Peça (2)

Gente, que comédia! A-D-O-O-O-O-R-O esse Paulo Gustavo! Morri de rir com esse filme, lembro também que comprei um pacotão de pipoca e dei na mão da Beca. Ela comia que não aguentava mais! Hehehe… Foi uma diversão, rimos à beça. Adoro a história dessa mulher guerreira que ele representa. Bem a gente né!

Bom pessoal, vou indo. Mas semana que vem tem mais! Prometo!

Momento SEO: nossos números de 2015

Não foi o resultado dos sonhos, sabe, mas só o cuidado e a estratégia do WP ao preparar isso me encantaram a tanto que resolvi postar!

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2015 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 8.000 vezes em 2015. Se fosse um comboio, eram precisas 7 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo

Ideias para o Dia dos Pais!

Hey gurias lindas! ❤

Como vocês sabem, o Dia dos Pais esta chegando e a gente não poderia deixar de comentar isso aqui, já que esse é o primeiro ano que comemoramos essa façanha aqui em casa! 😍

Bom, logicamente, como esposa de publicitário, tenho que dar um presente criativo e não clichê, concordam? Então, resolvi postar aqui algumas das ideias que eu andei pesquisando. Não sei ainda qual irei escolher, conto inclusive com o help  de vocês! Ele só não pode ler o post…. 😁😁 Vamos lá?

1. Mouse pad personalizado

 mouse pad, presentes, dia dos pais, ideias, presentes criativos 
Essa é uma opção um pouco mais cara, mas para aquele, que trabalha o tempo todo no notebook, é uma boa né? Acho que combina!

2. Porta-retrato com montagem de fotos dele e do(a) filho(a)

 porta retrato, portrait, presentes criativos, presentes, pais, dia dos pais 
Esse acho super fofo também, uma opção fácil de fazer, em conta é importante, porque registra bons momentos e ele não  pode colocar na mesa de trabalho para olhar a família todo dia! 

3. Book com histórias e fotos

  Achei essa a minha cara! 😁 Seria um prazer diagramar um book para eles dois gente! Além de ficar para a vida toda, é totalmente personalizado e criativo. No meu caso só terei mesmo o custo de impressão, mas quem não sabe, tem que encontrar ainda alguém que faça a arte. Mas eu acho que super vale a pena!

4. Case para o smartphone personalizada!

Ah gente essa eu acho linda! Não precisa ser necessariamente uma montagem de fotos. Pode ser um algumas frases que ele costuma falar para o filho, ou com o nome dele e um “Feliz Dia dos Pais”, como quiser. Mas o fato é que essa opção é um pouquinho arriscada, porque eles têm que gostar muito pra usar! Então tem que caprichar na criatividade!

5. Mural de fotos 

 Fiquei Grávida! - Mural de fotos, fotos, ideias , dia dos pais Imagina ele chegar em casa todo dia e se deparar com um mural cheio de fotos de vocês nos melhores momentos da família. Que emocionante! 😍

Gostaram das ideias, gente? Comentem então! E me ajudem a escolher só uma! #confusa’

Big bjo!💋

Pós-parto: resguardo e baby blues

Hey gurias! ❤️

Tudo bem?

Pois bem, hoje quero falar sobre esse assunto mega importante na vida das mamães e futuras mamães: a fase pós-parto. É tanta coisa que acontece ao mesmo tempo, não é mesmo? Para pra pensar: pontos da cirurgia (para as cesareanetes), recuperação do útero – sangramento excessivo (o que resulta em anemia muitas vezes), amamentação, cuidados com o bebê, a alimentação, nossa… Poderia enumerar aqui uma lista de coisas que nos preocupam nessa fase.

Pra passar por tudo isso, é necessário que a recém mamãe esteja envolvida de muito amor, atenção e cuidado. Não é fácil gente. Pelo contrário: acho que é a fase mais desafiadora na vida de toda mãe. Enquanto você está grávida, na sua mente você planeja tudo como vai ser, desde a saída da maternidade até o fim da quarentena. Mas tudo é muito diferente quando você sai da sala de parto.

O resguardo – ou quarentena – é um período em que você deve se cuidar para que tenha uma recuperação saudável. Ouço muitas mães dizerem: “Ah, com 5 dias já descia e subia as escadas, nem senti dor”, etc. Esqueça! Esses casos são totalmente atípicos. Assim que você leva a primeira alta médica e é direcionada para o seu quarto, um mix de sensações estranhas começa a acontecer. Parece que está tudo solto dentro da gente. Por isso, é super importante o repouso absoluto nos primeiros dias, pois seu organismo está se renovando; os órgãos voltam pro lugar e o útero reduz ao seu tamanho original. O sangramento nessa fase é intenso, o que dá queda de pressão e uma possível anemia se você não se alimentar bem.

Confesso que quando saí do hospital fiquei com um medo danado… Naqueles dois dias era só puxar a corda e a enfermeira estava ali, pronta pra cuidar de mim! E agora em casa, como fazer tudo operada? Graças a Deus, mamãe e sogrinha cuidaram muito de mim nos primeiros 15 dias, eu não saía do quarto pra nada! Mas nem todas tem esse privilégio.

Mesmo assim, passei por períodos difíceis. O baby blues – ou blues puerperal uma fase que leva esse nome porque “blues” (azuis em inglês) remete à depressão, já que, na psicologia das cores, é a sensação dada pelo azul em excesso. Puerperal é puerpério em inglês – mais uma palavra pro seu vocabulário, é outro sinônimo de resguardo, quarentena, etc.A exaustão de não dormir praticamente nada, o choque de realidade, as mudanças fisiológicas e psicológicas que acompanham essa fase podem provocar esse baby blues sim. E todas nós estamos sujeitas a passar por isso.  E ele me pegou. Eu confesso: achava que não ia melhorar. Era um chororô todo dia, eu não tinha mais paciência, tinha dias que eu queria sumir. Ficava irada quando Rebeca dormia no colo da minha mãe, da minha sogra, do Raphael, e não no meu. Me sentia uma incompetente, sabe? E os seios doloridos, rachados, com pouco leite? Fora que a autoestima também caiu totalmente… Eu achava que eu viveria pra sempre aquele “tormento” , que nunca mais teria tempo pra mim nem pro meu marido; achava que não viveria mais. A gente ao mesmo tempo se sente péssima por pensar isso, como pode, o que desejávamos e esperávamos com tanto amor trazer tanta decepção e tristeza?

Mas o tempo passou, gente, e quando a Rebeca fez um mês tudo começou a melhorar. Óbvio, eu ainda não estava dormindo direito – ela já vai pra três meses e tem dias que eu ainda me irrito por ela não dormir cedo – mas já comecei a me sentir mais segura, mais confiante em mim mesma! É incrível como essa fase passa e a gente nem percebe a melhora!

Mas quer saber um segredinho? eu não me rendi. Eu voltei a me sentir bem num dia e persisti nisso, todos os dias eu me esforçava pra me recuperar, voltei a vestir as roupas normais e tirar aquela camisola da minha frente, passei a me pesar a cada 15 dias – pra minha felicidade, já perdi quase tudo o que ganhei – passei a ficar uns dias fora do quarto o dia inteiro, e  aos poucos a fase azul foi indo embora e quando menos percebi eu já me sentia 100% eu! Só que agora completamente transformada por esse presente de Deus que é ser mãe.

Ainda não consegui atingir minhas metas, mas tudo tem um tempo determinado, gente. Aos poucos as coisas se ajeitam, sabe?

Enfim, espero ter ajudado vocês com um pouco da minha experiência. Comente aí se você se identifica, viu?

Beijos e até a próxima!:)

Brincadeiras que estimulam os bebês – até 6 meses

Fiquei Grávida! - Estimular bebês

Hey gurias!

Achei um link super legal para ajudar a gente que é mamãe de primeira viagem: um guia rápido de brincadeiras pra estimular bebês! Se você não sabia o que fazer com seu filho recém-nascido (como eu), lá vão algumas sugestões.

Com 1 mês:

– Colocar objetos macios e coloridos a cerca de 20 cm da criança.

– Quanto o bebê estiver no colo ou deitado, movimentar objetos ou a mão lateralmente

– Colocar o bebê de bruços e apoiar as mãos nos pés dele, dando pequenos impulsos, para que ele vá se arrastando.

– Ajudar o bebê a colocar os pés e as mãos na boca como forma de conhecer as partes do próprio corpo.

– Juntar as mãos do bebê como se ele fosse bater palmas.

– Quando o bebê estiver deitado de barriga para cima, puxá-lo com cuidado, para que ele se levante um pouquinho, e deitá-lo novamente.

– Balançar chocalhos para que o bebê associe o som ao movimento.

– Às vezes carregar o bebê no colo virado para a frente, como se fosse uma cadeirinha, para ajudá-lo a firmar a cabecinha.

Com 2 meses:

– Colocar o bebê de bruços, com brinquedos coloridos em ambos os lados, para estimular a noção de lateralidade.

– Movimentar objetos coloridos na frente do bebê, brincando e conversando com ele; isso estimula a movimentação ocular.

– Cantar e conversar muito com o bebê.

– Pendurar no berço objetos coloridos que façam barulho, em várias alturas e posições, para que o bebê possa até alcançá-los.

Com 3 meses:

– Manter mais vezes o bebê de barriga para baixo para ele brincar, ficando sempre junto dele.

– Colocar brinquedos ao alcance da mão do bebê para que ele tente pegá-los.

– Utilizar móbiles para que o bebê brinque e tente tocá-los com as mãos ou os pés enquanto está deitado.

– Tocar e movimentar o corpo do bebê durante as brincadeiras para que ele perceba o espaço que ocupa e os movimentos que pode realizar.

Com 4 meses:

– Movimentar o bebê para a frente e para trás, com delicadeza, enquanto ele estiver sentado. Isso ajuda a treinar a sustentação do tronco.

– Estimular o bebê a rolar em superfícies seguras.

– Sentá-lo no bebê-conforto e deixar vários brinquedos na sua frente para que escolha qual deles prefere e o que quer fazer com cada um.

– Brincar de esconder o rosto com uma fralda ou esconder o brinquedo para observar se ele procura.

– Dar mordedor e brinquedos que o bebê possa levar à boca.

– Conversar muito com o bebê e observar se, no meio do diálogo, ele participa sorrindo ou fazendo algum som.

Com 5 meses:

– Colocar o bebê sentado e cercado de almofadas, mantendo as costas dele eretas. Ficar perto dele.

– Segurar o bebê pelas axilas e colocá-lo de pé por períodos curtos.

– Deixar várias caixas e cubos coloridos para o bebê manusear.

– Ajudar o bebê a rolar usando uma toalha.

– Estimular o bebê a bater palmas.

– Conversar com o bebê e contar o que você está fazendo e pensando. Cantar para ele.

Com 6 meses:

– Colocar o bebê sentado com leve apoio.

– Dar um brinquedo de cada vez a ele para ver se o passa de uma mão à outra ou se o solta para pegar outro.

– Esconder o brinquedo fora do alcance do bebê e estimulá-lo a procurar ou tentar alcançar o brinquedo.

– Colocar o bebê na frente do espelho e fazer brincadeiras de aparecer e desaparecer.

– Segurar o bebê pelas axilas e brincar de pula-pula.

– Com o bebê no colo, faça várias brincadeiras e movimentos, fixando o olhar nele para que perceba seus movimentos faciais.

Veja a lista até 1 ano no site Pediatria em Foco.

E aí, curtiram? Espero que sim!

Beijos 😀

Meu relato de parto!

Hey gurias!

Quanto tempo que fiquei sem postar nada! Mas… espero que entendam, é que minha nenê nasceu! É isso mesmo, Rebeca veio ao mundo e não me deu descanso ainda! Rsrs… ainda mais eu, que sou mãe de primeira viagem, aí que não tem descanso mesmo, né? Mas prometo que agora voltarei com tudo e cheia de novidade pra vocês! ❤

Para retomar, nada mais justo do que fazer um breve relato do meu parto acompanhado de dicas sobre esse tão sonhado momento, né?

Identificar as contrações não foi nada fácil. Eu sentia sempre uma pressão do meio da barriga pra baixo, isso desde os 7 meses, como se ela tivesse realmente descendo, sabe? Mas quando me falavam de contração, parecia algo terrível, algo que faria eu ir correndo para o hospital, do tipo: “Você vai saber quando for a hora!”… só que eu não sabia, não conseguia identificar nada. Até que, com 37 semanas, a doutora fez o tal exame de toque, e eu estava com 2cm de dilatação! Nossa, fiquei MEGA feliz, imaginava que naquela semana no máximo a próxima minha princesa estaria nascendo. Afinal, fiz uma ultra com 36 semanas e ela já estava com 3kg e 47cm, com uma volta no pescoço. Pra quem não sabe, a minha decisão era fazer parto normal – decidi ao escrever esse post -, eu tinha saúde, idade e condições físicas pra isso e não abria mão dessa dádiva de Deus.

Só que o tempo foi passando, e o que eu sentia era só aquela dor que falei no início, uma pressãozinha pra baixo, às vezes fisgava, e só. A regularidade das dores? Outro tormento, porque eu contava de 30 em 30 minutos, depois ficavam de 10 em 10, e depois 7 em 7 e aí meu coração apertava porque eu achava que o momento estava chegando. Mas depois, voltava pra 30 em 30 minutos… até baixei um aplicativo pra me ajudar a controlar a contagem das contrações, mas de nada adiantou. Uma secreção saiu, eu achava que era o tampão, mas não, porque nada mudou depois que saiu. Cheguei nas 39 semanas, fiz a consulta e com muita força, a médica disse que eu tinha dilatado 3cm! Nossa, que expectativa! Mas ela dizia que era pra esperar que não ia passar do dia 13, nem precisava de ultra nem nada. Mas eu, desesperada, pedi a ela o encaminhamento. No dia seguinte, marquei e fiz uma ultra (no dia do meu aniversário, a propósito!). O cordão já tinha desenrolado, ela estava com 3,400, 48cm e perfeitamente encaixada. Só que minha artéria uterina esquerda estava com pouco fluxo. Estranhei aquilo, fui pesquisar e vi que não era nada demais, era só controlar a ansiedade e a pressão que tudo voltaria ao normal. Além disso, conversara com o médico sobre a possibilidade de ela nascer naquele dia – levei a mala da maternidade, fui preparada! – e ele disse que ela poderia, era só eu esperar a bolsa estourar ou as contrações ficarem mais fortes… A próxima consulta com a doutora seria só no dia 16, e meu coração palpitava, eu queria tanto que a bolsa estourasse logo, não estava mais aguentando o peso da barriga. Eu não dormia! Do dia 11 para o dia 12, senti muitas dores, uma secreção saiu – e dessa vez era o tampão, eu já não tinha mais dúvidas, porque foi mais forte e de cor amarronzada -, as dores aumentaram e fui ao hospital que me programei para ganhar – o Hospital Santa Cruz (prometo um post só pra elogiar o atendimento do hospital), para ver se estava em trabalho de parto ou não. Toda animada, cheguei lá e o médico de plantão que me atendeu disse que eu não passava dos 3cm. Ah que saco!

Já comecei a ficar entediada. Ele me mandou de volta pra casa, falando pra eu retornar 2 dias depois, porque com certeza iria dilatar mais e, com 5 pra 6cm já iniciaria o trabalho de parto. Ok, fiz isso, mas depois, não sentia mais dores fortes a não ser a bendita pressão e as fisgadas. Meu sogro e sogra estavam de viagem, só retornariam dia 15. Eu dizia brincando: ‘Ah, quando vocês chegarem a Rebeca já vai estar em casa!’… que nada! Acho que ela estava esperando pra chegar junto com os avós.

Chegou o dia 16, o dia em que ela completara 4o semanas. Eu já estava cansada, exausta, e quase desistindo do PN. Conversando com umas amigas, mãe, sogra, estava mudando de ideia. Fui ao hospital no dia pensando: ‘Se não tiver dilatação, fico por lá mesmo e faço a cesárea.’ Pois bem, chegamos lá, às 15h30, pra ver como eu estava, e a doutora disse: ‘Você continua com os 3cm, e seu colo está bem grosso, muito estranho, pois sua filha está encaixadinha. Vamos fazer uma ultra?’ Eu quase respondi: ‘Não, não quero saber de nada! Quero minha filha agora!’… mas me segurei, respirei fundo e lá fui eu fazer mais uma ultra. Chegando lá, ainda tive que ouvir o médico falar: ‘Ah, o certo é esperar fazer 42 semanas, minha filha! Sua bebê não precisa sair agora, ela está ótima de saúde, etc.’ Que vontade de bater naquele médico! Só eu sabia a ansiedade, o cansaço, a vontade de pegar meu presente nos braços! Esses homens… não sabem de nada, só a gente que é mulher sabe o que é carregar um bebê 9 meses dentro da gente! Não é fácil! Chega uma hora que você não aguenta mais… Enfim, esperei, o resultado saiu, ela estava com 48cm, 3,500kg e uma volta no pescoço de novo. Eu voltei pra médica e ela disse que era pra eu esperar até 41 semanas porque estava tudo bem. Ai que nervoso! Voltar mais um dia pra casa sem minha Rebequinha… Mas na hora eu disse: ‘Não doutora. Eu vou fazer cesariana e ponto final’. Só que aí surgiu outro problema: para conseguir um horário, teria que chegar 7:30 no hospital, já que os médicos são todos agendados com antecedência nos centros cirúrgicos e eu aproveitaria um encaixe, já que não marquei o meu.

Perfeito. Mais um dia voltando pra casa com o barrigão. Mais uma noite sem dormir. Mas aí, no dia seguinte, dia 17/03, eu fui de jejum, esperançosa que tudo fosse acontecer certinho, e assim foi. Cheguei lá 7h30, a doutora mediu e tudo continuava igual. Ela me sugeriu a indução, mas apontou que doeria muito já que meu colo estava ainda bem grosso. Ligou para a médica que faria o parto e tudo começou. Fui levada às 9h para a sala de espera, lá me troquei e fiquei aguardando…

Era 12h e nada. O plantão não tinha ainda o horário para o encaixe. Várias grávidas passaram pela sala, todas agendadas. Tinha uma grávida na minha frente esperando pra dilatar mais, em trabalho de parto. Eu, com invejinha dela, perguntei o que ela estava fazendo ali. Ela estava na mesma situação que eu, esperando o encaixe, só que só entraria no centro cirúrgico quando tivesse com mais dilatação. Passaram-se mais 2h e ela saiu, pois já tinha 6cm… E eu, sozinha, naquela sala. Só via as mães passando, nas macas, e nada de me chamarem. E a fome? Desesperada que eu estava, passando mal já. De repente, umas 14h30, chega o auxiliar do anestesista, pra me colocar no soro, me preparando para o parto. E não achava minha veia, ai que agonia! Mas depois deu tudo certo. Fiquei lá sentada com aquela medicação, e dentro de 30min eu entraria no centro cirúrgico, porque eu era a próxima. Nossa, meu coração! E meu marido, sogro e sogra do lado de fora, esperando. Meu marido ficou sem comer também! Desesperado junto comigo…

Finalmente, deu 15h15 e me encaminharam para a sala. Nossa, cheguei lá, bateu uma insegurança, aquela sala gigantesca, cheia de aparelhos e a médica cirurgiã, super calma, bonita até, olhou pra mim e disse: ‘Esperou bastante, né? 40 semanas e 1 dia! Não são todas que esperam tudo isso!’. Eu fiquei confortada e respondi que não estava aguentando mais. Dali por diante, todo meu medo passou, comecei a confiar nela, batemos papo, chegou a médica que a auxiliaria no parto – a mesma que me atendeu antes de me encaminhar, uma fofa. De repente, olho pro lado e pro outro e digo em pensamento: ‘Só mulher fazendo meu parto, é isso mesmo?’ De homem só tinha o anestesista e o seu auxiliar. Achei isso super bacana.

A anestesia foi engraçada. O auxiliar me abraçou e disse pra eu relaxar super no ombro dele. Foi o que fiz, de repente dei quase um salto com a picada da anestesia! (risos). Aí, de repente, minhas pernas foram formigando, era o efeito entrando em ação. Tentei levantar uma perna pra ver se realmente pegou a anestesia, e não consegui, o que me tranquilizou. Colocaram aquele pano azul na minha frente, e em todo tempo o anestesista e o auxiliar ficaram medindo minha pressão, aplicando medicação para não cair, já que ela é super baixa.

Pouco tempo depois, meu maridão entra, todo bobo, pra me fazer carinho dizendo que eu era super forte e que ele me amava muito. Só conseguia olhar pra ele. Toda a calma que precisava naquele momento vinha dele. Segurou a minha mão, e quando menos esperamos a doutora lançou: ‘Ela é cabeludinha, hein! Está subindo, não quer sair!’ Aí meu coração explodia de felicidade, as lágrimas começaram a rolar, e eu a gemer de tanta emoção, afinal, só podia me expressar com o rosto e a voz. O auxiliar teve que empurrar ela, só senti aquele “Ploft!”, e quando desceram o tecido azul, eu contemplei a cena mais linda do mundo: Minha filha deu um salto na mão da médica, eu não sabia se chorava ou se sorria! Olhei pro lado, meu marido chorando litros, tirando foto… foi a cena mais linda que eu poderia ver na minha vida.

10981698_815461528523060_5696420411371620047_n

Quando ele trouxe ela pra mim no colo, eu só sabia dizer, em prantos: ‘Minha filha é linda, é linda demais!’ E o mais legal, foi que durante toda a gravidez, todas as noites ao dormir, olhava para o Rapha e dizia: ‘Rebeca! Ela vai vir com seus olhos!’.. não deu outra! Os olhos são idênticos!

Que emoção gente… foi o momento mais gostoso quando ela abriu os olhos, eu pude pegar no rosto dela, nas mãos dela… beijá-la, logo assim que ela saiu da minha barriga. Tiramos fotos, e depois meu marido saiu com ela, e eu fui levada à sala de alta cirúrgica. Fiquei lá por uma hora, e minha pressão sendo monitorada de 1 em 1h. Quando deu 17h mais ou menos, eu já estava no quarto, e minha filha chegou.

O único problema foi que não consegui amamentar de imediato, não colocaram ela deitada do meu lado. Só amamentei quando levantaram minha cama, depois do banho. A partir daí, toda a batalha materna começou.

Só sei dizer que não existe sensação melhor. Ser mãe é uma dádiva de Deus mesmo. É MARAVILHOSO!

Desculpem-me o testamento, mas é que não consegui resumir. Dá licença, o momento mais importante da minha vida não pede resumo!

Beijos!

39 semanas: é agora ou nunca!

gravidez, gestacao, gestação, 39 semanas, pilates, dilatar utero, dilatacao, dilatação, parto normal, parto cesariana, sexo na gravidez, caminhada,

A última semana de gestação é a mais esperada por todas as mamães. Seja de parto normal ou cesariana, todas estão enlouquecidas pra ver o rostinho do bebê, pegar no colo e sentir o cheirinho.

Mas vamos ao parto normal, que é onde se tem mais dúvidas sobre dilatação e etc. A mãe que aguarda o bebê chegar na data que quiser deve ficar atenta: não force a barra nem fique ansiosa. Isso pode atrapalhar todo o seu trabalho de parto e prejudicar o bebê.

Se você está sentindo que não vai dilatar muito mais e que ele está muito apertado, agende uma ultra, veja o estado do seu bebê e decida com o seu médico a possível indução de parto ou até mesmo uma cesariana. Tem bebês que chegam até 42, mas nem todo caso é seguro, depende mais do seu bem-estar e do bebê. Isso é o mais importante. 

Alguns truques naturais pra acelerar o trabalho de parto

Caminhe bastante, suba e desça escadas, sem ir rápido demais. A prática exercita a musculatura da região.

Arrume uma bola de pilates e se apegue a ela. Passe o dia sentada nela, leia livros, assista TV. Uma dica é fazer movimentos circulares com os joelhos levemente flexionados. Sem perceber você estará forçando a musculatura.

Faça pressão para baixo, como se fosse fazer o número 2. Isso ajuda o bebê a descer.

Pratique relações sexuais, caso sua gravidez não seja de risco. Além de exercitar os músculos vaginais, você libera ocitocina (hormônio responsável pela dilatação do útero) e o sêmen contém prostaglandina, que amadurece o útero. 

Mantenha-se sempre quentinha. Tome banhos mornos e alimente-se de comidas mais apimentadas – desde que  sem exagero, ainda mais se você não tem costume.

Estimule os mamilos, fazendo movimentos circulares e apertando-os de leve, eles também liberam a ocitocina.

Mas, caso você opte pela cesariana, não precisa de nada disso. Alguns médicos apenas aguardam chegar a algum nível de dilatação para agendar a cirurgia o mais perto possível do dia real do nascimento (caso fosse natural), para não ter riscos de o leite não descer, ou o bebê sofrer alguma complicação no pós parto. 

Enfim, é isso meninas! Espero ter ajudado.

Beijos! ❤

As mudanças na pele durante a gravidez

As mudanças na pele durante a gravidezHey gurias! ❤

Bom, todo mundo sabe que a gravidez é um processo fisiológico que faz a nossa pele mudar muito. Manchas, estrias, celulites, gordurinhas, acne, bolinhas, tudo isso é excesso do hormônio progesterona que liberamos. Mas o que fazer pra essas mudanças não ficarem tão aparentes? Primeiro, vamos responder algumas perguntinhas básicas:

Posso usar cremes cosméticos, antirrugas, contra estrias, etc durante a gravidez?

Até poderia, desde que a composição de cada um deles fosse aprovada pelo seu GO. Mas já adianto que com certeza ele vai barrar qualquer creme dessa origem, pois todos eles praticamente contém o /maravilhoso/ ácido retinoico, que pode provocar má-formação no feto.

Vasinhos surgiram na minha perna, irritações embaixo dos seios! Jesus, o que faço?

Nada de secar vasinhos, querida! Esse procedimento é contraindicado na gravidez. Não adianta ficar desesperada. Relaxe porque os vasos vão sumir, inclusive algumas varizes que já existiam (é sério! rs). É porque a nossa pele produz mais pigmentos e como tem muito hormônio envolvido, acaba aparecendo um vaso ou outro. O ideal, pra evitar que se formem varizes mais sérias, é manter uma alimentação saudável, livre de frituras, assim, você também evita a celulite. As irritações perto do seio são resultado de um atrito, afinal você engordou, e sua barriguinha aumentou e encostou no seio. Tente se manter refrescada nessa área, evitando ficar sem sutiã durante o dia.  😀

Coceira no corpo todo, que aflição!!! O que será isso?

A coceira frequente, principalmente se começou nas mãos e espalhou pelo corpo, é resultado da colestase obstétrica, uma doença que afeta o fígado, que no caso de algumas gestantes, é sensível ao extremo. O ideal é confirmar o diagnóstico antes de tomar qualquer remédio pra evitá-la., imagino o quão agoniante e cansativo deve ser. Mas essa coceira some depois do parto, tá?

Nem limpeza de pele posso fazer, meu Deus do céu?

Essa sim, você pode. A limpeza de pele até faz bem, porque a massagem é relaxante, refresca o rosto e deixa a pele lisinha. Mas alto lá: tem que perguntar à pessoa que estiver fazendo se algum produto tem ácido retinoico na composição. Se tiver, não faça. Outra: tome cuidado pra não exagerar na esfoliação, porque a pele da gente fica muito sensível, e isso pode causar irritação.

Então, o que fazer pra me manter bonita durante a gravidez?

– Para evitar as estrias, recomenda-se sempre o uso de óleos de amêndoas desde a descoberta da gravidez (produtinhos que recomendo aqui). Talvez não evite completamente, vai depender da elasticidade da sua pele, mas é garantida a prevenção. Hidratar também é fundamental. O que recomenda-se por aí é – após o parto! – um combinado caseiro que promete dar certo: 1 pote de creme hidratante + 100 ml de óleo de amêndoas + 1 tubo de hipoglós + 1 ampola de Arovit (vitamina A). Aplique nas estrias e você vai ver o resultado com o tempo. Vou testar também assim que a Beca nascer e posto aqui o antes e depois. ;D

– Recentemente, já no finzinho da gravidez, o meu rosto voltou a ficar ressecado perto dos lábios e ao mesmo tempo oleoso na região T. Pra não ficar com a pele toda estranha, estou fazendo uma dobradinha: primeiro, uso o sabonete Clean & Clear Facial, que além de refrescar, remove a oleosidade instantaneamente e ajuda a prevenir espinhas. Depois, pra não ficar muito seco, uso uma bomba de hidratação, o Complete Comfort Creme, da MAC. Faço isso todas as noites e ajuda muito! Mas é claro, se você está sofrendo muito com oleosidade, acne ou algo mais grave, fale com seu GO.

– Em todos os banhos, também agora no fim da gestação, passei a usar aquela esponja de banho vegetal. Ela esfolia a pele, não remove totalmente aquelas bolinhas em volta do pescoço, mas evita que proliferem. Mas atenção: é bom manter em lugar limpo e renová-la sempre, porque pode abrigar bactérias ao longo do tempo.

– As manchas, como já falamos, também são inevitáveis. Surgem por todo o corpo, principalmente na axila, pescoço e rosto. Pra não piorar o ideal é evitar a exposição ao sol durante a gravidez usar protetor solar sempre, porque se escurecer o que já está escuro, pra clarear depois fica mais difícil, certo? Pior ainda se for na região da barriga, inclusive a linha nigra: se ela escurecer agora, que está super esticada, imagina depois? \o/

Bom, a parte boa é que os médicos asseguram que todos esses males desaparecem após o parto. Dependendo da sua gravidade, algumas coisas vão demorar um pouco mais do que outras. Caso não desapareça, a solução mesmo é procurar seu dermatologista.

Beijos meninas!

Fontes: BabyCenter Brasil / Bebe.abril.com.br / Tua Saúde / Ler Saúde